sábado, 2 de agosto de 2008

Que tipo de pessoa quero ser

Quero ser a pessoa que acorda de manhã com um sorriso nos lábios e uma grande motivação, simplesmente pelo fato de estar viva.
O tipo de pessoa que anseia por liberdade, por mudanças. Que tem a coragem de mudar e de trocar a estabilidade pelo Novo. O Novo que vai trazer a Nova Terra, a Nova Era.
O tipo de pessoa que quebra as estruturas estabelecidas mesmo sem saber como será a nova estrutura, se é que haverá uma.
Quero ser aquela pessoa que acredita que o dinheiro não traz felicidade, mas que a ativação da energia do dar e receber que vem do coração faz fluir a corrente de prosperidade e abundância do universo que me supre de todas coisas que necessito, inclusive materiais.
O tipo de pessoa que pode olhar dentro dos olhos de qualquer outro ser sem nenhum desconforto, sem nada para esconder, pois é autêntico e tem a coragem de ser ela mesma.
Quero ser aquela pessoa que sorri para todos e que este sorriso revela a simplicidade das coisas boas da vida. Que sabe dar valor ao elogio de um amigo, que fica muito feliz quando alguém liga só pra saber como está. Que torce pelas pessoas como se fosse para si mesma.
Quero ser aquele tipo de mãe/pai que olha para seu filho/a agradecendo a Deus a dádiva de poder cuidar daquele ser, mas que o prepara para o mundo da melhor forma que sabe e consegue fazê-lo perceber quais são as coisas que o fazem feliz.
Quero ser aquele tipo de pessoa que na maior parte do tempo reflete para os outros ao seu redor a sua conexão com Deus e assim caminha pelo mundo afora trazendo Deus para todos os corações dos quais se aproxima.
Quero ser alguém que sabe valorizar uma obra de arte, seja ela qual for, não por ser de um artista famoso ou considerado pela sociedade, mas porque aquela arte lhe toca o coração.
Quero ser aquela pessoa que dentro de uma discussão inflamada sabe se abster de sua opinião para que a situação deixe de se tornar mais e mais excitante e saia do controle e que traga a calma e serenidade evitando assim choques e atritos, revelando sua paz e serenidade interiores em todas as situações.
Quero também poder observar a dança cósmica do Universo que me rodeia sabendo dar valor aos acontecimentos milagrosos que a cada instante me revelam a sincronicidade e a harmonia do momento presente, sabendo inclusive identificar que esta harmonia somente reflete aquela que existe dentro do meu ser.
Quero ser aquele tipo de pessoa que não somente reflete sua própria luz, mas que ativa algo nos outros que faz com que eles ativem também sua luz interior.
Quero ser também aquela pessoa que sabe transmitir a alegria e a ingenuidade da criança com a sabedoria do ancião com grande simplicidade, sem precisar se destacar em nenhum ambiente, mas fazendo a diferença.
Enfim, quero simplesmente SER e VIVER o momento do aqui e agora em plenitude.

Nenhum comentário:

Beleza é uma percepção individual caracterizada normalmente pelo que é agradável aos sentidos. Esta percepção depende do contexto e do universo cognitivo do indivíduo que a observa. Através da história da humanidade a relação com a beleza tem sido frequentemente religiosa ou mística e transcendente, logo a beleza foi considerada muitas vezes como "aquilo que se aproxima da Divindade".

Também podemos considerar que beleza é, uma unidade dentro da variedade, unidade essa que deve ser harmônica da paz. A palavra beleza era utilizada originalmente para denominar exatidão, precisão; eventualmente a palavra adquiriu o significado de simetria. Beleza é aquilo que vemos e que podemos interpretar de modos diferentes.

É difícil se expressar em palavras o que é o "belo". Mas pode-se afirmar que a beleza é um conjunto de elementos que resultam naquilo que se considera belo. Uma das expressões utilizadas antigamente para definir a beleza feminina: "eram mulheres agradáveis aos olhos" ou "são mulheres formosas à vista".

**preserve a natureza**

Os ventos que as vezes tiram algo que amamos,

São os mesmos que nos trazem algo

que aprendemos a amar...

Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e

sim aprender a amar o que nos foi dado...

Tudo aquilo que é realmente nosso nunca se vai

PARA SEMPRE!"

Publipt - Publicidade na Internet

folheados

Mulheres são mais vulneráveis ao stress

As mulheres têm cada vez mais actividades fora de casa, acumulando muitas vezes com as tarefas domésticas, o que faz com que estejam mais expostas a factores de stress.

Filas de trânsito, conflitos laborais, os horários de trabalho excessivos. Tudo isto só vem piorar a relação, já de si difícil, que a mulher tem com as situações que envolvem mais stress.

Sair de casa a correr para o emprego, levar os filhos para a escola, enfrentar enormes filas de trânsito, ao fim do dia fazer todo este percurso e, ao chegar a casa, ainda ter que fazer todos os trabalhos domésticos, é uma rotina que preenche o dia a dia de muitas mulheres.

Ao fim de algum tempo começam a sentir uma enorme tensão e um cansaço sem fim. Justificação: STRESS.

Este termo foi inventado por um engenheiro anglo-saxónico para designar a força que, aplicada a um corpo, induz uma tensão. Mais tarde, o médico Hans Seyle adoptou esta palavra para explicar as agressões externas que provocam desequilíbrio no organismo.

Actualmente, o stress é visto como um dos grandes males do nosso século. Apesar de não escolher sexo ou idades, as mulheres têm mais dificuldade em fazer frente a situações de stress. Quem o garante é o Dr. Afonso de Albuquerque, psiquiatra.

«Os homens, de uma forma geral, desde mais cedo têm que aprender a lidar com o stress porque em criança fazem brincadeiras mais perigosas, praticam desportos mais violentos, têm mais comportamentos de exploração do mundo à sua volta», explica este médico. Em contrapartida, o sexo feminino está mais preparado para enfrentar a dor.

«Elas estão a ter cada vez mais actividades fora de casa e mais semelhantes às dos homens, mantendo o seu papel como mães e donas de casa. As mulheres acabam por ter sempre dois empregos: no local de trabalho e em casa», constata o especialista.

«E o problema são as pequenas coisas do dia a dia, porque para os grandes problemas, como a morte de um familiar, por exemplo, em regra, temos a ajuda dos outros, e nessa altura conseguimos arranjar forças para enfrentar a situação», acrescenta.

Os acontecimentos que aparentemente não têm qualquer importância funcionam como pequenas gotas de água que vão enchendo um copo. «Ao fim de um certo tempo o copo encheu e basta só uma gota para o fazer transbordar», avisa o médico. Os horários excessivos, as filas de trânsito, os excessos de tabaco ou de álcool e os conflitos familiares são alguns dos factores que podem contribuir para um aumento do stress.

Mas, ao contrário do que se possa pensar, não são só as mulheres que têm uma vida profissional muita activa, que andam sempre a correr de casa para o trabalho, quem sofre de stress. A monotonia e a falta de uma actividade profissional também podem causar tensão.

«O stress também pode ser por defeito, as pessoas não terem o estímulo ou estarem a funcionar com estímulos muito baixos» refere este especialista. E avança com um exemplo: «A síndroma da esposa suburbana, a mulher que fica em casa e vive nos subúrbios e que é pouco diferenciada do ponto de vista intelectual e social.»
Hoje em dia é comum a mulher ter uma jornada tripla de trabalho, muitas trabalham fora, tem filhos, cuidam da casa e algumas ainda encontram tempo para estudar. Isso não é nada fácil, e obviamente em que chega um momento em que o estresse chega; e como controlar este estresse diário? O que você faz para manter-se minimamente calma e controlada? Hoje li um artigo muito interessante que trata deste tema, acho que merece a leitura.

O Artesanato é essencialmente o próprio trabalho manual ou produção de um artesão (de artesão + ato). Mas com a mecanização da indústria o artesão é identificado como aquele que produz objetos pertencentes à chamada cultura popular.

O artesanato é tradicionalmente a produção de caráter familiar, na qual o produtor (artesão) possui os meios de produção (sendo o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalha com a família em sua própria casa, realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da matéria-prima, até o acabamento final; ou seja, não havendo divisão do trabalho ou especialização para a confecção de algum produto. Em algumas situações o artesão tinha junto a si um ajudante ou aprendiz.

Moda

Moda é a tendência de consumo da atualidade. A moda é composta de diversos estilos que podem ter sido influenciados sob diversos aspectos. Acompanha o vestuário e o tempo, que se integra ao simples uso das roupas no dia-a-dia. É uma forma passageira e facilmente mutável de se comportar e sobretudo de se vestir ou pentear.

Para criar estilo, os figurinistas utilizaram-se de cinco elementos básicos: a cor, a silhueta, o caimento, a textura e a harmonia.

A moda é abordada como um fenômeno sociocultural que expressa os valores da sociedade - usos, hábitos e costumes - em um determinado momento. Já o estilismo e o design são elementos integrantes do conceito moda, cada qual com os seus papéis bem definidos.

A moda é um sistema que acompanha o vestuário e o tempo, que integra o simples uso das roupas no dia-a-dia a um contexto maior, político, social, sociológico. Pode-se ver a moda naquilo que se escolhe de manhã para vestir, no look de um punk, de um skatista e de um pop star, nas passarelas do mundo, nas revistas e até mesmo no fato que veste um político ou no vestido das avós.

sonda-me

Loading...

Design alternativo

A marca Mulher do Padre, entre outras, representa o design de moda alternativo no Brasil.

Existem também iniciativas individualistas bem perceptíveis no Mundo Ocidental de alterações de peças de roupa e de caçados pós-lançamento no mercado. Alguns exêmplos disso são a imagem punk que encorpora o nativismo tradicional, como o penteado indígena iroqüá norte-americano moicano (ver mohawk) com a decadência urbana moderna, como sapatos esportivos e roupas 'usados', trazendo adesivos e marcas (i.e com mensagens de vida, política, subversão social, etc.) muitas vezes nelas postas simplesmente em caneta; e também o visual grunge, no qual se celebra o caipirismo interiorano do nordeste dos Estados Unidos, ao mesmo tempo, se somando a ele o estilo de vida citadino (ver, por exemplo, Kurt Cobain, Seattle).